NO DISCURSO EM DAVOS, JAIR BOLSONARO DIZ QUE VAI CUIDAR DA SEGURANÇA PÚBLICA NO BRASIL, PARA QUE O PAÍS SEJA VISITADO. ELA FAZ PROPAGANDA DA AMAZÔNIA E DAS PRAIAS. EM MANAUS: POLÍCIA MILITAR APREENDE MIL SACAS DE CARVÃO VEGETAL EM SITUAÇÃO IRREGULAR DURANTE OPERAÇÃO "ÁGUIA - BOINA VERDE" AO ESTADÃO, HAMILTON MOURÃO TAMBÉM DISSE QUE DIVERGÊNCIAS ENTRE PAULO GUEDES E ONYX LORENZONI ESTÃO SUPERADAS. “TEM ESSES PRIMEIROS DEZ DIAS, QUE É O MOMENTO DE CONHECER AS COISAS. O PAULO E O ONYX JÁ TROCARAM BEIJINHOS E ESTÁ TUDO CERTO.”
Arrow
Arrow
Slider

Implantação de um parque tecnológico da UEA para abrir nova fronteira de desenvolvimento no AM

Implantação de um parque tecnológico da UEA para abrir nova fronteira de desenvolvimento no AM

O Governo do Amazonas estuda a construção de um parque tecnológico da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). A proposta é abrir uma nova frente de desenvolvimento econômico e social, por meio da produção de conhecimento voltado às potencialidades regionais com geração de emprego e renda nas comunidades locais. Agregar insumos amazônicos aos produtos do Polo Industrial e estimular novas tecnologias para as indústrias naval e de pesca são exemplos de economias ainda pouco exploradas.

Uma das propostas estudadas pelo governador Wilson Lima é aproveitar a estrutura abandonada do projeto Cidade Universitária da UEA para implantar o parque tecnológico. Na última sexta-feira (13/4), o vice-governador, Carlos Almeida, e o reitor da UEA, Cleinaldo Costa, conheceram a estrutura e modelo de gestão do Complexo Eco Tecnológico Damha, em São Carlos, estado de São Paulo, conhecida como a cidade do conhecimento.

A concepção e gestão do complexo tecnológico é do Inova, instituto sem fins lucrativos que fez o convite ao vice-governador e ao reitor da UEA.

Novos caminhos – “Viemos conhecer a concepção do complexo, como ele funciona, as parcerias aqui integradas, de governos à iniciativa privada, o modelo de gestão porque temos tudo para implantar esse tipo de empreendimento no Amazonas: dispomos da vasta riqueza da floresta como insumo para produtos inovadores e a decisão do governador Wilson Lima, de buscar novos caminhos econômicos, além da Zona Franca, para a geração de emprego e renda no estado’’, destaca Carlos Almeida.

O Complexo Eco Tecnológico Damha abriga de startups, pequenas empresas que investem em uma ideia inovadora, à unidades de grandes corporações que apostam em produtos que farão diferença no mercado, nos mais variados segmentos.  O conceito de complexo tecnológico integrado à natureza é pioneiro, do início dos anos 2000, e tem contribuído para São Carlos ampliar a produção de conhecimento, o seu maior diferencial. O município tem média de 1 doutor para cada grupo de 180 habitantes, desempenho melhor que o de países da Europa.

Um parque tecnológico no Amazonas ampliará a estrutura e o alcance da Escola Superior de Tecnologia da UEA. “A indústria atual está se reinventando na era digital e precisamos decidir que caminho queremos seguir. O investimento na produção do conhecimento fomentará uma nova economia, capaz de gerar milhares de emprego ao explorar todo o nosso potencial amazônico’’, defende Cleinaldo Costa.

Futuro agora – Algumas das razões para implantar o parque de tecnologia, na estrutura abandonada da Cidade Universitária, são: retomada do projeto para o fortalecimento do ensino superior via UEA; a proposta de integrar as comunidades locais e de municípios vizinhos à chamada bioeconomia; além da importância do estado começar a produzir conhecimento, iniciando uma nova era de desenvolvimento.

Pela localização, com margens para o rio Negro, o parque tecnológico na Cidade Universitária será propício, por exemplo, para implantar laboratórios voltados à produção de tecnologias aplicadas à indústria naval e à indústria pesqueira, de elevado potencial, mas ainda incipientes no Amazonas. De tudo que se pesca no Estado, cerca de 200 mil toneladas por ano, em torno de 10%, são beneficiados.

Facilitador de negócios – Ao unir universidade e empreendedores, a possibilidade de desenvolvimento de produtos inovadores é grande. E como destaca o reitor da UEA, onde existe a estrutura adequada, o investimento chega e o capital intelectual se fixa. No Complexo Eco Tecnológico Damha, em São Carlos, não é diferente, afirma a Diretora geral do Instituto Inova, Bruna Boa Sorte. Há casos de startups que começaram em salas de 3 por 4 metros e hoje estão em prédios com 200 a 300 colaboradores.

“O complexo é pioneiro, tem certificação de qualidade internacional e acreditamos que o Amazonas tem grande potencial nesse tipo de empreendimento’’, destaca a diretora geral do Inova. Na avaliação do consultor do empreendimento Pedro Paro, esse perfil de complexo é uma tendência mundial, que encontra no Brasil o diferencial da natureza, em especial na biodiversidade amazônica.

You must be logged in to post a comment

Arrow
Arrow
Slider