NO DISCURSO EM DAVOS, JAIR BOLSONARO DIZ QUE VAI CUIDAR DA SEGURANÇA PÚBLICA NO BRASIL, PARA QUE O PAÍS SEJA VISITADO. ELA FAZ PROPAGANDA DA AMAZÔNIA E DAS PRAIAS. EM MANAUS: POLÍCIA MILITAR APREENDE MIL SACAS DE CARVÃO VEGETAL EM SITUAÇÃO IRREGULAR DURANTE OPERAÇÃO "ÁGUIA - BOINA VERDE" AO ESTADÃO, HAMILTON MOURÃO TAMBÉM DISSE QUE DIVERGÊNCIAS ENTRE PAULO GUEDES E ONYX LORENZONI ESTÃO SUPERADAS. “TEM ESSES PRIMEIROS DEZ DIAS, QUE É O MOMENTO DE CONHECER AS COISAS. O PAULO E O ONYX JÁ TROCARAM BEIJINHOS E ESTÁ TUDO CERTO.”
Arrow
Arrow
Slider

Em novo artigo, Arthur Virgílio lembra grandes desmatamentos na Amazônia

Em novo artigo, Arthur Virgílio lembra grandes desmatamentos na Amazônia

 

Alertando sobre os perigos ambientais e sociais das ameaças em torno da manutenção da Zona Franca de Manaus, o prefeito Arthur Virgílio Neto publicou novo artigo em sua página do Facebook nesta sexta-feira, 8/2. Arthur Virgílio é reconhecido nacionalmente e até internacionalmente como voz em defesa da Amazônia, principalmente por, em sua época de Senado, ter sido responsável pela PEC 17-2008, prorrogando por mais 10 anos do modelo econômico que mantém a parte brasileira da Floresta Amazônica preservada, mas que acabou emperrada na Câmara dos Deputados. Ele também foi autor da PEC 29/2010, prorrogando os incentivos até 2073, que acabou não sendo votada, uma vez que deixou o Senado em 2010. A proposta foi incorporada à PEC 20-2014, do Poder Executivo, que aprovou os incentivos por 50 anos.

Já tendo publicado 16 artigos e tornando o tema uma pauta constante em sua agenda administrativa, o prefeito de Manaus trouxe nesta nova publicação um exemplo de desenvolvimento nocivo e que foi responsável pelo início do desmatamento no Pará, quando, no fim dos anos 70, a empresa Volkswagen incendiou grande parte das reservas naturais do Sul do Estado, sob o pretexto de gerar novos empreendimentos pecuários.

“A verdade é que não houve empreendimento algum, porque a empresa, simplesmente, promoveu criminoso incêndio, que ficou absurdamente impune. Não estabeleceu fazenda de gado. Não deu nenhum uso útil ao dinheiro público”, lembrou o prefeito. “O ‘projeto’ jamais foi pecuária ou diversificação de campo de atuação. O objetivo era a pilhagem, submetendo o sul do Pará a um dano sem remédio. Hoje, seria considerado crime ambiental e, portanto, inafiançável”, completou em outro trecho.

Segundo Arthur, esse é apenas um caso do quão ofendida vem sendo a Floresta Amazônica ao longo dos anos, citando ainda a devastação nos Estados do Acre e Rondônia. “No Sul do Pará, o percentual de efetiva cobertura vegetal está perigosamente reduzido. Restam, então, os 97% da Floresta Amazônica situada em território amazonense, garantidos pelo que produz e rende a Zona Franca de Manaus, composta por fábricas que sequer têm chaminés”, comparou.

Para o prefeito de Manaus, a análise meramente tecnocrática não se sustenta. “É pequena, porque deveria ser levada em conta a dificuldade que teríamos para explicar ao mundo uma eventual destruição da maior floresta tropical do mundo”, defendeu, ao mencionar que o Brasil, mesmo tendo suas fragilidades políticas e econômicas, desperta o interesse do mundo pela Amazônia. E como consequência da não preservação dessa riqueza, Virgílio aponta “a perda de peso diplomático e econômico, além de óbvia tensão militar, que poderia levar-nos a uma posição vexatória e temerária”, reforçou.

Por fim, o artigo destaca que a Floresta Amazônica é um patrimônio ambiental rico em biodiversidade e em água, que são o maior agente atenuador das consequências do aquecimento global. Por isso, o prefeito tem repetido incansavelmente que a floresta é o maior trunfo do Brasil no plano internacional.

“Merecemos receber tratamento privilegiado, investimentos e respeitabilidade política. O governo brasileiro deve buscar parcerias generosas com a Amazônia. Deve abandonar qualquer eiva de preconceito e garantir as riquezas que, sendo amazônicas, também sempre serão brasileiras. O Brasil haverá de entender que apoiar a Zona Franca de Manaus significará proteger seu próprio futuro e a sua própria estabilidade política e militar. O tempo dirá se tenho, ou não, razão”, finalizou.

Leia o artigo na íntegra

Adão Gomes
Adão Gomes Administrator
Sorry! The Author has not filled his profile.
Os comentários estão fechados.
Arrow
Arrow
Slider